Tipos de EPS Isopor®: Diferenças que você precisa conhecer

Tipos de EPS Isopor®: Diferenças que você precisa conhecer

Eficiente e flexível, o EPS Isopor® se adapta a diversas aplicações, colaborando decisivamente para os segmentos automotivo, de embalagens e da construção civil. Cada utilidade, claro, apresenta necessidades diferentes: seja maleabilidade, isolamento térmico ou acústico, retardação à chama, estabilidade, resistência ou rigidez. Para atender à cada uma dessas particularidades, há diversos tipos de EPS Isopor®; nós separamos as principais características para te ajudar a entendê-los melhor.

Características e especificações técnicas

Em cada caso, a mesma matéria-prima, o poliestireno expandido, passa por processos diferenciados de transformação física, resultando em produtos com densidades, massas e volumes específicos.

A massa está relacionada ao peso e à quantidade de material, enquanto o volume é referente ao tamanho; já a densidade é o resultado de um fator dividido pelo outro: massa/volume, determinando a rigidez e a resistência do produto final.

A partir dessas especificidades é que surgem diferentes classes e tipos de EPS Isopor®, para diferentes fins. Por exemplo: para uma melhor absorção do impacto, se faz necessário um modelo com baixa densidade, para não transferir o impacto ao produto protegido; como é o caso do material direcionado ao segmento de embalagens, utilizado para transporte e armazenamento.

Agora, se a intenção é resistência e sustentação, aplica-se uma densidade mais alta, como nos casos das construções de rodovias, pontes, píers flutuantes e obras ferroviárias; ou itens de segurança, como capacetes.

Quais são os tipos de EPS Isopor®?

O EPS Isopor® apresenta dois segmentos: recortados e moldados. Os recortados representam as placas de poliestireno, como as direcionadas para a construção civil; enquanto os moldados são as peças produzidas com o material, como as caixas térmicas, por exemplo.

O primeiro caso (recortados) possui uma densidade mínima de 10kg/m³ e máxima de 35kg/m³; já o segundo (moldados) possibilita densidades que variam de 16,5kg/m³ a 90kg/m³.

No caso dos recortados, encontramos ainda algumas classificações conforme as principais características técnicas, como densidade, capacidade de resistência à temperatura e à pressão, flamabilidade (capacidade de retardar o fogo) e absorção de líquidos.

O T3, com densidade nominal de 14 Kg/m³, é comumente utilizado para a construção de lajes, por exemplo. Enquanto isso, o T6, com densidade de 27,5 Kg/m³, apresenta uma superfície bem resistente, atendendo às necessidades de obras mais robustas ou que demandam maior precisão. Por último, o T7 apresenta uma densidade superior a 30 Kg/m³ (mais precisamente, 32,5 Kg/m³).

Todos os tipos de EPS Isopor® da classe T (T1 a T7) não são retardadores de chama; para isso existe a classe F (F1 a F7), que segue os mesmos princípios e especificações técnicas, mas com o diferencial de retardar o fogo.

Além de toda essa classificação, há também o tipo C.P: originado do EPS Isopor® triturado (entre 30 e 40%), e integrado com a matéria-prima virgem (entre 60 a 70%).

Agora, é preciso entender que, independentemente de por qual dos tipos de EPS Isopor® você irá optar, é fundamental se atentar quanto à qualidade do produto antes de adquiri-lo. A Knauf Isopor®, por exemplo, produz peças atendendo às particularidades e necessidades de cada segmento e, inclusive, específicas de cada cliente, para garantir qualidade máxima em todas as entregas.



Leia Também